Esportes

| Vôlei

Alison e André Stein vão colocar um ponto final na história da 'Dupla Capixaba' que buscava uma vaga Jogos de Tóquio-2020. No último fim de semana a dupla esteve na etapa 4 Estrelas do Circuito Mundial em Doha (Catar). Com alguns resultados abaixo do esperado André acabou tomando a decisão de encerrar a dupla e destacou 'o respeito e a amizade' com o 'Mamute' e com o técnico Leandro Andreão, o 'Brachola'.

“Não foi uma decisão fácil. Tínhamos muitas expectativas, um projeto bem planejado, mas, infelizmente, não conseguimos os resultados. Não foi por falta de empenho, de treino e dedicação. Estamos começando a corrida olímpica e, pensando no sonho que temos, de estar no Japão no ano que vem, acho que a hora de tomar essa decisão era agora. Tenho muito respeito e carinho pelo Alison, pelo Leandro, a amizade entre nós sai ainda mais fortalecida após esse período”, disse André.

##RECOMENDA##

O Itambé/Minas (MG) vai representar o Brasil no Mundial de Clubes de vôlei, em dezembro, na China. A equipe mineira assegurou a classificação ao faturar o título do Campeonato Sul-Americano feminino neste sábado ao derrotar na final o Dentil/Praia Clube (MG), atual campeão da Superliga, por 3 sets a 0, com parciais de 25/21, 25/16 e 26/24. O duelo foi disputado na Arena Minas, em Belo Horizonte.

Com o resultado, o time comandado pelo técnico Stefano Lavarini selou a conquista sem perder um set sequer na competição internacional. Antes de triunfar sobre o rival brasileiro, o Minas bateu o Club Olympic, da Bolívia, o Boca Juniors e o San Lorenzo, ambos da Argentina.

##RECOMENDA##

"Grande título, contra um grande time. Fizemos um grande jogo contra o Praia, que teve um saque muito forte e acreditou. Tiveram todas as oportunidades de ganhar o jogo, mas a gente ficou atento nas situações da partida e buscamos desenvolver bem o nosso jogo. Depois conseguimos impor o nosso saque/passe e trabalhamos muito bem os contra-ataques. Enfim, foi um excelente jogo, tivemos uma postura firme e merecemos o resultado", comemorou Lavarini.

Individualmente, o Minas também foi premiado neste sábado. Capitã da equipe, a central Carol Gattaz, foi eleita a melhor jogadora do torneio. E a levantadora Macris, a ponteira Gabi, a oposta Bruna e a líbero Leia foram eleitas para integrar a seleção da competição.

A ponteira Fernanda Garay e a central Fabiana, ambas do Dentil/Praia Clube, também integraram a seleção do Sul-Americano.

Técnico da seleção brasileira masculina de vôlei, Renan Dal Zotto agora vai dividir as suas atenções com outra função no esporte. Nesta quinta-feira (21), ele foi anunciado como novo treinador do EMS Taubaté Funvic, time do interior paulista que participa da Superliga.

Renan esteve em Taubaté na semana passada, quando acompanhou a disputa das finais da Copa Libertadores na cidade. O time da casa foi o quarto colocado no torneio, tendo perdido para o argentino Bolívar, que foi o campeão do torneio, nas semifinais, e o Sesi-SP, na disputa pelo terceiro lugar.

##RECOMENDA##

Embora tenha anunciado a contratação, o Taubaté não revelou quando Renan iniciará o seu trabalho em substituição ao argentino Daniel Castellani, que conquistou dois títulos estaduais, mas foi demitido após a participação no torneio continental.

"É com imensa satisfação que nós da EMS Taubaté FUNVIC comunicamos que já temos nosso novo comandante. Trata-se do multicampeão e atual técnico da Seleção Brasileira Masculina de Vôlei, Renan Dal Zotto. Mais informações sobre a transição de comando e início dos trabalhos serão oferecidas em momento oportuno", anunciou a equipe em nota oficial.

O Taubaté o terceiro colocado na classificação da Superliga Masculina, atrás de Cruzeiro e Sesi-SP.

Dominante no vôlei nacional nos últimos anos, o Sada Cruzeiro conquistou mais um título. Neste domingo, o time se tornou campeão pela quarta vez da Copa Brasil ao derrotar na final o Fiat/Minas por 3 sets a 0, com parciais de 29/27, 25/22 e 25/22, na decisão realizada no ginásio Jones Minosso, em Lages (SC).

Os outros títulos do Cruzeiro na Copa Brasil foram em 2014, 2016 e 2018, sendo que agora o time se tornou o primeiro bicampeão consecutivo do torneio ao mata-mata ao triunfar em uma decisão que envolveu equipes mineiras.

##RECOMENDA##

"No final, em um jogo equilibrado, difícil, ganhou o time que é mais cascudo e está mais acostumado a decidir. Os meninos do time do Minas têm muito valor. O Davy, o Felipe Roque, o Cledenilson, o Maique, todos têm muito talento, mas eles ainda não têm essa vivência de jogar uma final e isso pesa. Na hora de decidir, faz a diferença. Mais uma vez mostramos que somos um bom time, mas, na hora que vale, nosso time é melhor ainda", afirmou Serginho.

Na campanha do título da Copa Brasil, para a qual se classificou ao ser o segundo colocado do primeiro turno da Superliga, o Cruzeiro estreou com vitória por 3 a 1 sobre o Vôlei UM Itapetininga (SP). Depois, nas semifinais, passou pelo Copel Telecom Maringá Vôlei (PR), também por 3 a 1. Na final, o oposto Evandro foi o principal destaque do Cruzeiro ao marcar 13 pontos.

O capitão Filipe destacou a importância do Cruzeiro conquistar o título após passar por grande reformulação para a temporada 2018/2019 do vôlei. "Nosso time passou por grandes mudanças nesta temporada, mas a sede de vencer e a vontade de estar no primeiro lugar do pódio permanecem. Este título é resultado do trabalho do grupo, que se supera a cada dia. A equipe toda está de parabéns, muita gente duvidou do nosso time, por todas as mudanças que tivemos, mas mostramos que continuamos no topo", disse.

Em busca de vencer pela segunda vez o Aberto da Austrália, Rafael Nadal bateu o checo Tomas Berdych, neste domingo (20), em Melbourne, por 3 sets a 0, parciais de 6/0, 6/1 e 7/6 (7/4). O espanhol, 17 vezes campeão de Grand Slams, avançou às quartas de final da competição.

O único título de Nadal no torneio aconteceu em 2009, mas é a 11ª vez que ele alcança essa fase na Austrália. Para repetir o feito na atual edição, o ex-número 1 do mundo, atual segundo colocado no ranking da ATP, ganhou os primeiros nove games disputados, início arrasador que permitiu ao espanhol abrir 2 a 0. O espanhol fechou o jogo ao superar Berdych no tie break do terceiro set, o mais acirrado da partida.

##RECOMENDA##

O adversário de Nadal será o norte-americano Frances Tiafoe, que superou batalha travada por 3h39 contra o búlgaro Grigor Dimitrov. O jogo terminou com o placar de 3 sets a 2, parciais de 7/5, 7/6 (8/6), 6/7 (1/7) e 7/5.

Vai ser a primeira vez que Nadal e Tiafoe vão se enfrentar. O jovem norte-americano, que completou 21 anos neste domingo, avançou às quartas de final de um Grand Slam pela primeira vez na carreira.

Em outro duelo pelas oitavas de final, o espanhol Roberto Bautista superou o croata Marin Cilic por 3 sets a 2, parciais de 6/7 (6/8), 6/3, 6/2, 4/6 e 6/4. Nas quartas, o vencedor do confronto vai enfrentar o suíço Roger Federer ou o grego Stefanos Tsitsipas, adversários neste domingo.

O Minas conseguiu uma histórica vitória neste sábado. Diante do poderoso Eczacibasi Vitra Istanbul, triunfou por 3 sets a 2, com parciais de 22/25, 26/24, 25/13, 23/25 e 15/12, e se classificou para a decisão do Mundial Feminino de Clubes de Vôlei, que está sendo realizado em Shaoxing, na China.

Esta é a segunda participação do Minas no Mundial e também a segunda vez que o time se classifica à final, sendo que em 1992 foi batido na decisão pelo italiano Teodora Ravenna. Agora, neste domingo, terá pela frente o vencedor da outra semifinal, entre o Praia Clube e o Vakifbank Istanbul, que será realizada ainda neste sábado.

##RECOMENDA##

Até este sábado, o Minas vinha oscilando nas suas partidas na China. A equipe estreou no Mundial com um sofrido triunfo por 3 a 2 sobre o francês Volero Cannet, fez 3 a 1 no Zhejiang WVC e, já classificado às semifinais, poupou algumas titulares na derrota por 3 a 0 para o Vakifbank Istanbul.

Já o Eczacibasi tinha desempenho praticamente perfeito no Mundial. Afinal, havia triunfado nas três partidas que realizou na fase de grupos, derrotando Altay VC, do Casaquistão, e Supreme Chonburi, da Tailândia, ambos por 3 a 0, e batendo o Praia por 3 a 1. Neste sábado, porém, o time turco, campeão mundial em 2015 e 2016, parou no Minas.

Para derrotar o forte adversário, a equipe de Belo Horizonte contou com uma espetacular atuação de Natália, que terminou a partida com 31 pontos. Gabi também se destacou pelo Minas com 19, enquanto a sérvia Tijana Boskovic, com 27, e a norte-americana Jordan Larson, com 20, foram as maiores pontuadoras da equipe turca.

O equilíbrio marcou o primeiro set da partida, mas quase sempre com o Eczacibasi em vantagem, que chegou a ser de cinco pontos. E apesar da luta do Minas, a equipe turca triunfou por 25 a 22. O segundo set parecia encaminhado para nova vitória do Eczacibasi, que chegou a abrir 24 a 19. Mas aí o Minas conseguiu uma impressionante virada, com sete pontos consecutivos, para ganhar por 26 a 24.

Cheio de confiança, o time de Belo Horizonte foi avassalador no terceiro set. Se impôs diante do oponente turco, exibiu volume de jogo e fechou o terceiro set em 25 a 13. Mas embora atuando bem, o Minas passou a cometer alguns erros no quarto set e acabou permitindo as reação do Eczacibasi, que conseguiu se recuperar no quarto set para triunfar por 25 a 23.

No tie-break, o Minas largou na frente, mas também encontrou dificuldades contra um adversário que possui estrelas do vôlei mundial e chegou a encostar no placar. Mas o time conseguiu fechar a parcial em 15/12 com um ataque de Gabi, assegurando a sua passagem à final do Mundial.

Já classificadas para as semifinais, as equipes brasileiras foram derrotadas nesta sexta-feira na rodada final da fase de grupos do Mundial de Clubes de vôlei. Na cidade chinesa de Shaoxing, o Dentil/Praia Clube e o Minas Tênis Clube foram superados por rivais turcos, que são os favoritos a ficar com o título.

O Praia Clube, de Uberlândia (MG), foi o primeiro a entrar em quadra nesta sexta. A equipe convidada da organização e atual campeã da Superliga caiu diante do Eczacibasi Vitra Istanbul, de virada, pelo placar de 3 sets a 1, com parciais de 27/25, 21/25, 11/25 e 21/25.

##RECOMENDA##

A central Ana Carolina e a oposta Nicole Fawcett foram os destaques da equipe do Brasil, com dez pontos cada. Mas a dupla acabou ofuscada pelos desempenhos decisivos de Jordan Larson, responsável por 23 pontos, e Tijana Boskovic, com 17.

Com o resultado, o time turco, que é comandado pelo técnico brasileiro Marco Aurélio Motta, chegou à terceira vitória em três jogos. Perdeu apenas um set, justamente para o Praia Clube, que veio a ficar em segundo na chave, com seis pontos. E as turcas garantiram a primeira colocação do Grupo B, com nove pontos.

Assim, o Eczacibasi assegurou o confronto com outro time brasileiro, na semifinal. O time da Turquia vai enfrentar o Minas neste sábado, às 10 horas (horário de Brasília).

O time brasileiro também encerrou sua participação na fase de grupos com derrota. Nesta sexta, foi batido pelo Vakifbank Istanbul por 3 sets a 0, com parciais de 25/23, 30/28 e 25/18. Ting Zhu, com 18 pontos, e Milena Rasic, com 12, foram as maiores pontuadoras do jogo, em favor da equipe turca. Pelo time do Brasil, Gabi Guimarães (14) e Bruna Honorio (9) foram os destaques.

Atual campeão mundial, o Vakifbank ficou em primeiro lugar no Grupo A, com nove pontos, sem perder um set sequer. E o Minas terminou a fase de grupos na segunda colocação, com cinco. O Vakifbank vai duelar com o Praia Clube na primeira semifinal deste sábado, às 7 horas (de Brasília).

O time de voleibol masculino da Univeritas/UNG, de Guarulhos, região metropolitana de São Paulo, venceu por 3 x 1 a equipe da faculdade cearense Ateneu na partida de estreia dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBS), ocorrida em Maringá, no Paraná.

A disputa começou equilibrada, mas no decorrer do jogo a equipe da Univeritas/UNG se destacou com resultados parciais de 25 a 21, 25 a 20, 23 a 25 e 25 a 22.

##RECOMENDA##

Na avaliação do técnico Zeco, o jogo foi bem disputado e o time do Ceará é bastante experiente. “A vitória na estreia foi muito importante para a continuação, pois nesta fase se classifica apenas o primeiro colocado de cada grupo”, afirmou.

Foi um torneio de tiro curto, apenas duas partidas em dois dia, mas muito importante para o vôlei pernambucano. Após vencer a Associação K2 (GO), na quarta (25), o Náutico-UNINASSAU/VMelko encarou a Associação Francana (SP), nesta quinta (26), pela Superliga C de vôlei feminino.

A partida aconteceu na quadra do Bloco A da UNINASSAU, no bairro das Graças, que estava lotada. Quem vencesse seria o classificado à Série B 2019 do grupo A. No primeiro set, as donas da casa começaram com tudo e abriram cinco pontos de vantagem. As paulistas responderam e chegaram a empatar, mas deu Náutico-UNINASSAU por 25 a 18.

##RECOMENDA##

A torcida se inflamou, mas a partir daí a Associação Francana cresceu no jogo e conseguiu uma virada espetacular: 25 x 20 no segundo set, 25 x 17 no terceiro e 25 x 19 no quarto, fechando a partida por 3 sets a 1. Com a vitória, o time paulista subiu e disputará a Série B no ano que vem.

O atual campeão Sada Cruzeiro enfrenta às 19h30 desta quarta-feira, o Vôlei Renata na abertura da 25ª edição da Superliga de vôlei masculino. São 12 times no masculino, que já entram em ação a partir de agora, e 12 no feminino, em um torneio que começa apenas no dia 13 de novembro, para acompanhar o calendário internacional da modalidade. O Mundial feminino acabou no sábado no Japão enquanto o masculino foi realizado semanas antes, entre os dias 9 e 30 de setembro.

A principal novidade desta edição da Superliga é o retorno da decisão no formato de playoff. Se a final deste ano foi realizada em dois jogos, com golden set para definir o campeão, no ano que vem será em melhor de três partidas no feminino e cinco no masculino, um pedido antigo das equipes que participam do torneio.

##RECOMENDA##

"Temos como principal mudança a volta dos playoffs. Tivemos novamente a condição de finalizar a temporada com isso, então teremos melhor de três jogos nas quartas de finais, cinco jogos nas semifinais e cinco na final, algo que não acontece há mais de dez anos", explica Renato D’Avila, superintendente de competições de quadra da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

Vale lembrar que a Superliga de vôlei chegou a ser decidida em jogo único, por exigência da televisão, e isso muitas vezes incomodava os torcedores. Mas, depois de muita negociação, a CBV conseguiu promover o retorno dos playoffs. "A gente acredita que isso acrescente uma boa dose de emoção na fase final, pois é uma coisa que os clubes queriam há um bom tempo e conseguimos viabilizar", conta D’Ávila.

A competição masculina terá a participação de Sada Cruzeiro (MG), Sesi-SP, Sesc RJ, EMS Taubaté Funvic (SP), Fiat/Minas (MG), Vôlei Renata (SP), Corinthians-Guarulhos (SP), Caramuru Vôlei (PR), Copel Telecom Maringá Vôlei (PR) e São Judas Voleibol (SP), além de duas equipes que vieram da Superliga Série B: São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão (SP) e Vôlei UM Itapetininga (SP).

D’Avila lembra que a competição fará o uso da tecnologia para suas fases mais agudas. "Nós mantivemos a condição de ter o sistema de desafio, que tira dúvida das bolas marcadas pela arbitragem. As equipes podem desafiar e isso faz o jogo ser mais correto e ter decisões mais acertadas. Esse desafio vai ser utilizado somente a partir das semifinais", afirma.

TRANSMISSÃO - Outro ponto importante é a transmissão televisiva. A CBV tem o objetivo de transmitir todas as partidas da competição em um futuro próximo e fará isso na tevê aberta, fechada e por streaming, no site Globoesporte.com e Canal Vôlei Brasil, da CBV, em parceria com a TV Nsports.

"A gente considera que é uma temporada com uma cobertura muito maior. Teremos várias transmissões via streaming, além da tevê aberta com a Gazeta e na fechada com o SporTV. Estamos chegando muito perto de ter uma cobertura de 100% dos jogos, que é uma meta ambiciosa que a gente pretende alcançar, seja nesta temporada ou na próxima", diz D’Ávila.

A partida desta noite, que será disputada no ginásio do Taquaral, em Campinas, é válida pela sexta rodada da Superliga masculina. O jogo foi antecipado, pois os mineiros do Sada Cruzeiro, campeão das cinco últimas edições, vão disputar o Mundial de Clubes, entre 26 de novembro e 2 de dezembro. O torneio será na Polônia.

As brasileiras Maria Elisa e Carolina Solberg conquistaram neste domingo a medalha de bronze da etapa de Las Vegas, nos Estados Unidos, pelo Circuito Mundial do vôlei de praia. A partida contra as compatriotas Ana Patrícia/Rebecca acabou encerrada no segundo set, após uma entorse no tornozelo esquerdo de Ana Patrícia.

A lesão aconteceu no segundo set, quando a partida estava empatada por 16/16 - Ana Patrícia e Rebecca haviam vencido a primeira parcial por 21 a 19. A bloqueadora mineira de 1,94 metro ainda tentou retornar para o duelo, mas não conseguiu seguir em quadra. Assim, o placar oficial terminou com vitória por 2 sets a 1 (desistência do time B).

##RECOMENDA##

Logo após a lesão, Maria Elisa e Carol imediatamente prestaram auxílio e ampararam Ana Patrícia. A defensora carioca comentou a medalha e lamentou a lesão da adversária.

"A gente nunca quer que nenhum atleta se machuque. É uma situação muito difícil, infelizmente aconteceu com ela e definiu o resultado da partida. Fizemos um jogo duríssimo ontem (na semifinal), disputado ponto a ponto, queríamos demais disputar a final, mas não conseguimos. Viemos para a disputa de bronze muito focadas, sabíamos que seria outro duelo muito forte, a Rebecca e a Ana Patrícia estão embaladas, perdemos o primeiro set mas estávamos na disputa do segundo. Queríamos muito essa medalha, não da forma como aconteceu, mas bola pra frente. Estamos felizes por estar no pódio do Circuito Mundial novamente", disse Maria Elisa após o final do jogo.

O bronze na etapa de Las Vegas rende 640 pontos no ranking do Circuito Mundial, além de cerca de R$ 37 mil em premiação. Já Ana e Rebecca somam 560 pontos e recebem cerca de R$ 29 mil. Foi o quinto confronto entre os times, com cinco vitórias de Maria Elisa/Carol.

"É uma medalha importante para nós, Maria e eu tivemos uma ótima temporada. Perdemos algumas disputas de bronze no ano, então queríamos muito vencer hoje. Sempre são jogos duros contra Ana e Rebecca, nos enfrentamos no Circuito Brasileiro muitas vezes. Infelizmente acabou acontecendo a lesão, é triste, mas faz parte do nosso esporte. Espero que ela se recupere rápido e possamos fazer outros jogos em breve", disse Carol Solberg.

Com o resultado de Las Vegas, as duplas brasileiras já somam cinco medalhas na temporada 2018/2019, que começou em setembro, após o World Tour Finals.

Entre os dias 23 e 25 de outubro, a UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau, no Recife, receberá no seu Ginásio de Esportes a primeira edição da Superliga Série C de vôlei feminino. A competição é organizada pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e contará com equipes de várias partes do Brasil.

A primeira edição do evento terá como sedes Recife e Ponta Grossa, no Paraná. As equipes melhores classificadas durante o torneio terão vaga garantida na Superliga Brasileira de Voleibol Feminino Série B. Os times serão divididos em dois grupos e a competição será definida pelo sistema de pontos corridos, ou seja, os dois times que pontuarem mais sobem de divisão.

##RECOMENDA##

Segundo o coordenador de esportes da UNINASSAU, Hermógenes Brasil, a criação de uma nova divisão no vôlei brasileiro vai deixar a modalidade ainda mais competitiva. “Diversos são os benefícios de uma nova divisão no vôlei. Para começar, ajuda na popularização do esporte, além disso, aumenta o número de competidores e cria novas oportunidades para outros atletas”, afirma.

Da assessoria de imprensa

 

O Brasil deixou a etapa de Yangzhou do Circuito Mundial de vôlei de praia com dois pódios, conquistados neste domingo, na China. O destaque maior foi para a dupla formada por Ana Patrícia e Rebeca, que faturaram a medalha de prata.

Na segunda final da parceria no Circuito, elas foram superadas pelas norte-americanas Alix Klineman e April Ross pelo placar de 2 sets a 0, com parciais de 19/21 e 16/21.

##RECOMENDA##

O segundo lugar mais alto do pódio garantiu às brasileiras 720 pontos no ranking mundial e o prêmio de US$ 16 mil (cerca de R$ 60 mil). Ana Patrícia e Rebeca vinham de um ouro obtido na etapa de Qinzhou, também na China, há cerca de dez dias.

No masculino, Guto e Saymon levaram a medalha de bronze em Yangzhou. E nem precisaram suar para subir ao pódio. Antes da partida decisiva, eles foram avisados que a dupla canadense formada por Sam Pedlow e Sam Schachter não iria competir por conta de lesão.

Como consequência, os brasileiros somaram 640 pontos no ranking e receberam US$ 10 mil (R$ 37 mil) em premiação.

As duas duplas brasileiras voltam à disputa na próxima etapa do Circuito Mundial, em Las Vegas, nos Estados Unidos, entre os dias 17 e 21 de outubro. Assim como em Yangzhou, a etapa americana será de nível quatro estrelas.

A seleção brasileira feminina de vôlei venceu o Japão por 3 sets a 2, de virada, com parciais de 23/25, 16/25, 28/26, 25/21 e 15/11, nesta quinta-feira, em Nagoya, mas deu adeus ao Campeonato Mundial e ampliou o seu histórico jejum de títulos na competição.

Por causa do saldo de sets inferior ao das adversárias, o Brasil entrou em quadra com a obrigação de superar as japonesas por 3 a 0 e viu o sonho da classificação à próxima fase do torneio realizado no país das suas rivais ruir com a derrota sofrida já na primeira parcial.

##RECOMENDA##

Bicampeã olímpica, com os ouros obtidos em Pequim-2008 e Londres-2012, a seleção brasileira almejava o inédito título mundial para o vôlei feminino do País. Porém, acabou pagando o preço pelo desempenho oscilante no torneio. Em nove jogos na competição, o Brasil ganhou sete, mas sofreu um revés inesperado diante da Alemanha, levou um 3 a 0 da Sérvia e chegou a perder um set para o México, nação cuja seleção é inexpressiva no cenário do vôlei mundial.

O time comandado pelo técnico José Roberto Guimarães também superou Porto Rico, República Dominicana, Quênia, Casaquistão, México e Holanda em sua campanha no Japão, onde terminou a segunda fase do Mundial em quarto lugar do Grupo E, com 20 pontos.

Mesmo derrotada pelo Brasil, a seleção japonesa avançou ao estágio seguinte da competição como vice-líder da chave, com 22 pontos, atrás apenas da Holanda, que se garantiu no topo, com 24, ao derrotar a Sérvia por 3 sets a 0 em outro confronto realizado nesta quinta-feira. As sérvias entraram em quadra com classificação assegurada à próxima fase por antecipação e ficaram na terceira posição.

Já em outros duelos deste Grupo E entre seleções que já estavam eliminadas, Porto Rico venceu o México por 3 sets a 1 e a República Dominicana bateu a Alemanha por 3 a 0 nesta quinta-feira.

Instável, a seleção brasileira cedeu 30 pontos às japonesas em erros durante o duelo em Nagoya, contra 22 cometidos pelas anfitriãs, que passaram a atuar de forma mais relaxada após ganharem o primeiro set. Abalado, o Brasil também caiu na segunda parcial, mas depois foi buscar uma virada por 3 a 2 para se despedir de forma honrosa da competição.

No fim, o time nacional contabilizou outros 64 pontos em ataques, 15 em bloqueios e mais seis em saques, contra 65, seis e sete somados, respectivamente, pelas donas da casa nos mesmos fundamentos. Tandara, com 24 pontos, foi o maior destaque ofensivo do jogo, enquanto Fernanda Garay veio pouco atrás, com 20. Sarina Koga , com 23 pontos, foi o principal nome da equipe japonesa.

Garay, por sua vez, falou de maneira sensata ao comentar a eliminação brasileira após o duelo contra o Japão. "Fica difícil analisar o resultado agora, logo depois do jogo, com a cabeça quente, mas só a vitória por 3 a 0 nos interessava. E a gente não conseguiu fechar o primeiro set e isso comprometeu a nossa atuação", afirmou a jogadora, em entrevista ao SporTV.

A seleção brasileira feminina de vôlei decepcionou e caiu na estreia da segunda fase do Campeonato Mundial da modalidade, em Nagoya, no Japão. Neste domingo, as comandadas de José Roberto Guimarães abriram dois sets de frente e pareciam caminhar para um triunfo tranquilo sobre a Alemanha, mas levaram a virada e perderam por 3 a 2, com parciais de 14/25, 19/25, 32/30, 25/19 e 17/15.

A derrota complicou o Brasil. Como trouxe os resultados do estágio anterior da competição, a seleção soma 13 pontos na tabela do Grupo F, atrás de Sérvia, Holanda e Japão. Apenas três equipes de cada chave se classificam à próxima fase, o que torna obrigatório um triunfo sobre o México na madrugada de segunda-feira, à 1h25 (horário de Brasília).

##RECOMENDA##

"Esse é uma campeonato longo e desgastante. Agora, temos que levantar a cabeça e estudar o que aconteceu. Jogamos muito bem os dois primeiros sets. O terceiro set foi disputado ponto a ponto, o quarto a Alemanha jogou muito bem e no quinto começamos na frente, mas a Alemanha é um time que briga o tempo todo. Vi coisas boas no nosso time e outras que precisamos melhorar. Nosso bloqueio deixou a desejar em algumas situações. O importante é tentar entender essa derrota, pensar no México e vencer todos jogos. Ainda estamos na briga", considerou Zé Roberto.

Neste domingo, o técnico mandou o Brasil à quadra com Roberta, Tandara, Fernanda Garay, Gabi, Carol e Bia, além da líbero Suelen. Comandada por Tandara, a equipe venceu os dois primeiros sets com facilidade e sofreu no terceiro, vencido pela Alemanha nos detalhes.

Parecia apenas um tropeço ocasional, mas o fato é que a vitória no terceiro set deu vida nova às alemãs, que levaram também o quarto com certa tranquilidade. No tie-break, o Brasil foi que reagiu, mas vacilou na reta final da disputa e permitiu o triunfo das adversárias.

"No primeiro e no segundo sets, sacamos muito bem e as ponteiras da Alemanha não estavam rodando. A partir do terceiro set, nosso saque ficou mais lento e não conseguimos tocar nas bolas delas. Já temos que pensar nos próximos jogos, porque ainda tem muito campeonato pela frente", comentou Tandara.

A oposta terminou como grande destaque brasileiro, com 29 pontos, enquanto Gabi contribuiu com 19 e Fernanda Garay, com 12. A melhor em quadra e responsável pela reação alemã, porém, foi a oposta Lipmann, autora de 36 pontos.

A seleção brasileira feminina de vôlei sofreu nesta segunda-feira sua primeira derrota no Campeonato Mundial, que está sendo disputado no Japão. O time do técnico José Roberto Guimarães foi superado pela Sérvia, atual vice-campeã olímpica e campeã europeia, por 3 sets a 0, com parciais de 25/21, 25/18 e 25/19, em 1h22min de jogo.

O destaque do jogo foi a oposta canhota Boskovic, com 24 pontos, seguida pela compatriota Mihajlovic, com 15. Tandara, com nove, e Gabi, com oito, foram as melhores do Brasil.

##RECOMENDA##

As sérvias cometeram 23 erros, contra apenas seis das brasileiras, mas em compensação o seu ataque anotou 56 pontos. O Brasil só conseguiu 30. "Nós não aproveitamos os erros delas. Elas arriscaram mais que a gente. Melhoramos o saque e o bloqueio durante o jogo, mas não foi o suficiente para vencer. Sabíamos que seria um jogo difícil e agora só nos resta treinar muito para a sequência do campeonato", disse Tandara.

A novidade na escalação do Brasil foi a presença de Adenízia entre as titulares, ao lado de Dani Lins, Tandara, Bia, Garay, Gabi e Suelen. Com esta formação, o Brasil não aproveitou os oito erros de saque da Sérvia no primeiro set. Só ficou à frente no placar em 13 a 12. Boskovic, de 21 anos, anotou dez pontos. As sérvias não fizeram nenhum ponto de bloqueio, mas o ataque foi responsável por 21. Final: 25 a 21.

A seleção brasileira voltou melhor no segundo set, com o saque conseguindo quebrar a recepção sérvia, mas Boskovic continuou com sua atuação sensacional. "Nós temos que parar esta mulher", disse o técnico José Roberto Guimarães durante uma das paradas técnicas.

Pelo lado do Brasil, Tandara passou a aparecer mais no jogo, mas não teve força para passar pelo bloqueio sérvio. Nova vitória da Sérvia: 25 a 18. As brasileiras só erraram quatro vezes em dois sets, contra 18 das adversárias. O problema foi o ataque sérvio, autor de 39 dos 50 primeiros pontos.

Zé Roberto fez várias mudanças no time no terceiro set, que chegou a ser equilibrado no começo, mas a irregularidade na recepção e alguns erros da seleção brasileira foram decisivos para as sérvias dispararem no placar e fecharem com tranquilidade: 25 a 19.

Com a derrota, o Brasil fica em segundo lugar no Grupo D, com seis pontos, atrás da Sérvia, que venceu os três jogos disputados até agora e se isolou na ponta, com nove pontos. O Brasil, que venceu Porto Rico e República Dominicana nos dois duelos anteriores, volta a jogar nesta quarta-feira, diante do Quênia, às 7h (horário de Brasília). Na quinta-feira, o adversário será o Casaquistão no fechamento da primeira fase da competição.

Com 34 anos de idade e um dos jogadores que ajudaram o Brasil a conquistar o ouro olímpico no vôlei masculino nos Jogos do Rio, em 2016, o ponteiro Lipe anunciou que não jogará mais pela seleção brasileira. Emocionado, ele fez a revelação após cair junto com o time nacional, por 3 sets a 0 diante da Polônia, em Turim, na Itália, na final do Campeonato Mundial.

"Só queria dizer que saio daqui feliz, de cabeça erguida. Foi uma prata maravilhosa. Talvez a mais difícil. Por tudo que passamos, lesões, toda evolução que tivemos ao longo do Mundial. É muito emocionante para mim. Tinha extrema confiança de que seria um jogo duro, eles foram muito bem. Mas estou muito feliz e muito agradecido de terem deixado eu participar novamente", afirmou o experiente jogador, que superou uma tendinite crônica no cotovelo direito para atuar no Mundial.

##RECOMENDA##

Lipe também dedicou a sua carreira na seleção ao seu pai, Adalberto, que acompanhou em Turim a derrota para os poloneses na decisão. Foi um duro revés para o seu filho, pois o Brasil já havia sido batido pela mesma Polônia na final do Mundial de 2014, na casa da rival, quando o ponteiro também disputou a competição.

"A comissão técnica acreditou mais em mim do que eu mesmo. Minha esposa, minha família. Foi uma carreira na seleção maravilhosa. Dedico toda ela (a carreira) ao meu pai. Nos momentos mais importantes ele estava ao meu lado. Hoje ele estava aqui. Fico feliz por tudo que fiz aqui", disse o jogador, que também conquistou pela seleção principal do Brasil uma medalha de prata na Liga Mundial de 2013 e um ouro nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em 2011.

Assim como ocorreu há quatro anos, a seleção brasileira masculina de vôlei voltou a ser batida pela Polônia na final do Campeonato Mundial da modalidade. Neste domingo, em Turim, na Itália, o time comandado por Renan Dal Zotto foi derrotado pela equipe europeia por 3 sets a 0, com parciais de 28/26, 25/20 e 25/23, em 1 hora e 38 minutos de confronto.

Bem longe de repetir a boa atuação da vitória sobre a Sérvia, no sábado, pelas semifinais, o time brasileiro foi superado pelos poloneses com relativa facilidade na segunda parcial e, abalada emocionalmente, estava sendo atropelada na terceira, antes de reagir apenas na parte derradeira do confronto. Porém, não conseguiram salvar o match point polonês quando perdia por 24 a 23 e deu adeus ao sonho do tetracampeonato.

##RECOMENDA##

Tricampeão mundial com os títulos obtidos em 2002, 2006 e 2010 sob o comando de Bernardinho, o Brasil já havia caído por 3 sets a 1 diante da Polônia na decisão de 2014, disputada em solo polonês, que foi palco da edição anterior da competição. Assim, a seleção agora dirigida por Renan buscava dar o troco no rival em sua quinta final consecutiva no torneio.

Entretanto, os poloneses faturaram o bicampeonato e desbancaram também os atuais campeões olímpicos, que levaram o ouro nos Jogos do Rio-2016 no fim da vitoriosa Era Bernardinho na seleção masculina. E essa também foi a terceira derrota do Brasil em seis participações na decisão do Mundial. Em 1982, a equipe que tinha Renan Dal Zotto como um dos seus atacantes foi superada pela extinta União Soviética na final, realizada na Argentina.

Para a Polônia, a vitória também significou triunfar em uma espécie de "tira-teima" contra a seleção brasileira, que em 2016 superou a rival por 3 sets a 0 na decisão do Mundial, no Japão. Assim, cada país chegou nesta final com um triunfo sobre o outro em duelos que valeram o troféu do torneio.

Para chegar à luta pelo título deste domingo, os poloneses venceram os Estados Unidos por 3 sets a 2 na semifinal do último sábado, quando os brasileiros derrotaram os sérvios por 3 a 0. Na decisão do bronze neste domingo, os norte-americanos garantiram o terceiro lugar ao passarem pela Sérvia por 3 sets a 1, no início desta tarde.

Com 23 pontos, Bartosz Kurek foi o grande destaque da final contra o Brasil, que teve Wallace como maior pontuador, com 14 acertos. Douglas Souza fez outros 11 pontos pelo time nacional. Michal Kubiak, com 12, figurou como outro nome importante do triunfo polonês.

Pesou para a derrota do Brasil também a falta de eficiência no bloqueio nesta decisão. Após contabilizar nove pontos neste fundamento na semifinal contra a Sérvia, desta vez só conseguiu parar ataques poloneses por três vezes. Já os campeões fizeram dez pontos em bloqueios, além de outros quatro em saques, contra apenas dois dos brasileiros, que sofreram apenas duas derrotas em sua campanha neste Mundial - a outra ocorreu ainda na primeira fase, na qual foi surpreendida pela Holanda.

Essa foi a primeira final de Renan como técnico da seleção brasileira. E também a segunda decepção amargada em um grande torneio neste ano. Em julho, a equipe nacional ficou em quarto lugar na recém-criada Liga das Nações, que passou a substituir a Liga Mundial no calendário do vôlei. Em Lille, na França, caiu por 3 sets a 0 na semifinal contra a Rússia e pelo mesmo placar na decisão do bronze diante dos Estados Unidos.

O Brasil largou bem no Mundial Feminino de Vôlei. Na madrugada deste sábado, após um início devagar, com certa oscilação, as brasileiras cresceram durante a partida, passearam no final e venceram Porto Rico com facilidade, por 3 sets a 0, com parciais de 27/25, 25/12 e 25/7. A partida foi disputada em Hamamatsu, no Japão.

O Brasil, que integra o grupo D, volta à quadra em busca do segundo triunfo seguido na madrugada deste domingo contra outro adversário caribenho: a República Dominicana. A partida será à 1h40 (de Brasília).

##RECOMENDA##

Na primeira fase da competição, quatro das seis melhores equipes de cada chave avançam. Todas as seleções carregam sua pontuação para a segunda etapa do torneio, que será disputada em dois grupos de oito equipes. Assim, a vitória na estreia tem ainda mais valor para a seleção brasileira.

O destaque brasileiro em quadra foi Fernanda Garay, maior pontuadora da partida, com 12 pontos. A campeã olímpica em Londres, em 2012, não jogava pelo time verde e amarelo desde os Jogos do Rio, em 2016. Natália, que voltou a jogar após sete meses, marcou 11 pontos, e Bia, com nove, também foram essenciais para o triunfo.

O primeiro dos três sets apresentou o pior desempenho da seleção brasileira. As comandadas de Zé Roberto começaram devagar, com problemas no passe e no posicionamento, muito por conta da falta de entrosamento da equipe, que demorou, mas se encontrou no set e na partida.

Diante das aguerridas porto-riquenhas, o Brasil precisou muito do talento de Gabi e Fernanda Garay para conseguir engrenar e não ser surpreendido pelo time caribenho, que mostrou muita vontade para salvar dois sets points - um deles que causou polêmica, já que houve invasão de quadra, exibida no desafio, mas ignorada pelo árbitro - mas careceu de técnica. No final, o placar marcou 27/25 para as brasileiras.

Mais à vontade na quadra, as brasileiras se aproveitaram dos erros sucessivos - alguns até primários - das porto-riquenhas, mostrou muita força no bloqueio, e venceu o segundo set com facilidade, por 25/12.

Se o segundo set foi tranquilo, o terceiro, que acabou sendo o último, foi um verdadeiro passeio do Brasil, que dominou o rival, muito nervoso e afobado, e abriu logo 15/0, sem piedade, na passagem de Carol no saque. No final, o time brasileiro fechou o jogo com autoridade, por 25/7 para confirmar a importante vitória na estreia do Mundial.

"Porto Rico jogou bem no primeiro set, nós cometemos alguns erros. Foram seis erros de saque. E o contra-ataque demorou a sair. Achei o time nervoso no primeiro set, depois as coisas se acertaram. Fizemos um segundo set melhor, e o terceiro melhor ainda. Senti o time mais equilibrado em quadra, mais tranquilo. Jogo de estreia é sempre assim, um pouco acima da rotação de energia até as coisas começarem a sair naturalmente", avaliou o técnico Zé Roberto, que aproveitou o final da partida para dar rodagem a algumas jogadoras. Apenas Adenízia não jogou.

A seleção brasileira masculina de vôlei começou a sua participação na terceira fase do Mundial com vitória em um confronto espetacular. Em Turim, pelo Grupo I, a equipe derrotou a Rússia por 3 sets a 2, com parciais de 20/25, 21/25, 25/22, 25/13 e 15/12, em virada liderada pelo levantador William.

Os dois primeiros colocados da chave se classificam às semifinais, sendo que o Brasil estará de folga na quinta-feira, quando Rússia e Estados Unidos vão se enfrentar, sendo que uma vitória norte-americana classificará a seleção antecipadamente às semifinais. Se isso não ocorrer, o Brasil tentará sacramentar a sua vaga na fase seguinte em duelo com os norte-americanos, até agora invictos na competição, na sexta-feira, às 12 horas (de Brasília).

##RECOMENDA##

A equipe dirigida por Renan Dal Zotto havia vencido seis dos sete duelos que fez nas etapas anteriores do Mundial, a mesma campanha da seleção russa. E para esse confronto, o treinador escalou Bruninho, Wallace, Lipe, Maurício Souza, Douglas e Lucão como titulares. Depois, Isac, William, Kadu, Evandro e Maique entraram durante o duelo.

As mudanças promovidas por Renan, aliás, foram determinantes para o triunfo do Brasil. A partir do terceiro set, William e Isac assumiram a titularidade, substituindo Bruninho e Maurício Souza, e acabaram sendo decisivos para o incrível triunfo da seleção.

Wallace brilhou pelo Brasil nesta quarta-feira com 22 pontos marcados, enquanto Lipe fez 16. Dmitry Volkov foi o maior pontuador do duelo com 23 acertos pela Rússia, enquanto Maxim Mikhaylov anotou 19.

O primeiro set da partida começou com equilíbrio. E no seu melhor momento, o Brasil chegou a abrir 9/7. Só que os russos se recuperaram, fizeram 19/17 e deslancharam. Nem a inversão do 5-1, realizada por Renan, surtiu efeito para impedir a derrota da seleção, definida em 25/20, com ataque de Muserskiy.

As equipes oscilaram no início do segundo set, quando a Rússia abriu 4/2, mas o Brasil conseguiu fazer 6/4 após ótima sequência de Lucão no saque. Só que os russos se recuperaram e, liderados por Volkov, passaram à frente do placar, fazendo 16/14. Com confiança, os russos foram abrindo desvantagem e nem a troca de Kadu por Douglas resolveu, com a equipe perdendo por 25/21 após erro de Lucão no saque.

Renan, então, mudou o time. Com Isac e William como titulares, além da utilização do líbero Maique em alguns momentos, a equipe chegou a abrir 10/6. A Rússia assustou ao empatar o placar em 18/18, mas o Brasil voltou a ficar na frente e fechou a parcial em 25/22 com Evandro.

O quarto set, novamente equilibrado, pareceu uma caça da Rússia ao Brasil. Afinal, a equipe nacional abria vantagem e depois via os rivais encostarem. Foi assim, por exemplo, quando fez 18/15, para depois permitir o empate em 20/20. Os russos também salvaram um set point, mas um erro de Volkov no saque definiu o triunfou brasileiro por 25/23, forçando a realização do tie-break.

O início da Rússia foi melhor no set de desempate, liderando o placar por 4/2. Mas o Brasil não se abateu, equilibrando o jogo e chegando a fazer 11/8 e depois 13/10. A equipe ainda desperdiçou dois match points, mas assegurou o triunfo em ataque de Douglas, por 15/12, deixando a seleção próxima das semifinais do Mundial.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando