Aldo Vilela

Aldo Vilela

Jornalista

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJá.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Jair Bolsonaro eleito barra sequência de vitórias do PT que por sinal não aceita a derrota e já se movimenta para fazer protestos pelo país

| seg, 29/10/2018 - 11:19
Compartilhar:

Jair Messias Bolsonaro, do PSL, foi eleito presidente da República derrotando em segundo turno o petista Fernando Haddad, interrompendo um ciclo de vitórias do PT que vinha desde 2002. A vitória foi confirmada às 19h18, quando, com 94,44% das seções apuradas, Bolsonaro alcançou 55.205.640 votos (55,54% dos válidos) e não podia mais ser ultrapassado por Haddad, que naquele momento somava 44.193.523 (44,46%). Aos 63 anos, capitão reformado do Exército, deputado federal desde 1991, Jair Bolsonaro ratificou o apoio que cultivou e ampliou a partir das redes sociais e em viagens pelo Brasil para obter o mandato de presidente de 2019 a 2022. Na campanha, por meio das redes sociais e do aplicativo de mensagens WhatsApp, Bolsonaro apostou em um discurso conservador para um país conservador nos costumes, acenou para um discurso liberal na economia, de linha dura no combate à corrupção e à violência urbana e opositor do PT e da esquerda.

Sucesso

Com esse discurso e andanças pelo Brasil se tornou um fenômeno eleitoral ao vencer a corrida presidencial filiado a uma legenda sem alianças formais com grandes partidos, com pouco tempo na propaganda eleitoral de rádio e TV e distante das ruas na maior parte da campanha, em razão do atentado no qual sofreu uma facada que o perfurou no abdômen.

O gosto da derrota

Após quatro vitórias consecutivas do PT em eleições presidenciais (2002, 2006, 2010 e 2014), o novo presidente eleito se apresenta como um político de direita.

Sem diluir a derrota

Na manhã deste domingo (28), o professor Fernando Haddad recebeu alguns de seus mais antigos assessores em casa. Ciente de que o mais provável era perder mesmo o pleito o petista pediu para que não o abandonassem, pois via risco de ser alvo de uma tentativa de isolamento no PT.

Conforto

Os aliados disseram a Haddad, em resposta, que qualquer que fosse o resultado ele havia vencido, pois sairia maior da disputa. O candidato disse que precisaria de ajuda para enfrentar “o que vai vir pela frente”, abraçou os amigos e chorou.

PT definha e prova do veneno que destilou

Na reta final de aproximação entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad na última semana da eleição mostraram que talvez tenha faltado tempo ao petista para se tornar bem mais competitivo do que foi. O tempo passou o PT não aprendeu a perder e foi feio o que Haddad fez, não parabenizou o novo presidente do Brasil, dando sinais de revolta e não aceitação perlo resultado de uma maioria no país.

Acalmando o país

O presidente eleito Jair Bolsonaro, PSL, fez um discurso conciliador nas redes sociais após vitória no pleito deste domingo. "Vamos unir a todos. Não haverá distinção entre nós. Seremos um só povo, um só país. Construiremos então o futuro do nosso Brasil", disse Bolsonaro, em transmissão no Facebook. Bolsonaro usou um discurso conciliador que se difere dos pronunciamentos duros e críticos do período de campanha. Segundo Bolsonaro, a vitória vem "para mostrar que o eleitor brasileiro não é refém desse ou daquele partido. Vocês votaram no candidato do Brasil. Quando assumimos no ano que vem, serei o presidente de todos", afirmou.

Lembranças

Bolsonaro também relembrou o percurso turbulento que enfrentou para vencer - disputa que começou, segundo ele, há três anos. "São quase três anos de muito sacrifício, mas também muito compensador, quando no final de tudo aquilo que plantamos, vem a vitória".

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Leia Concursos

Procure os
Concursos

Copyright. 2019. LEIAJÁ. Todos os direitos reservados.

Carregando